top of page

O que são os Itinerários Formativos do Novo Ensino Médio?

Atualizado: 20 de jul. de 2021

Conforme já contamos nesse artigo, o Ensino Médio vai mudar a partir de 2022. Com carga horária estendida, 60% do tempo de aula será dedicado à Formação Geral Básica, disciplinas comuns a todos os estudantes; e os outros 40% aos Itinerários Formativos, que serão escolhidos pelos estudantes com base no seu Projeto de Vida.


Mas você sabe como vai funcionar? A SchoolAdvisor conta tudo para você!


A partir de 2022 os estudantes brasileiros poderão escolher quais disciplinas desejam cursar no Ensino Médio, um programa similar à educação nos Estados Unidos.


Os Itinerários Formativos são as trilhas educacionais optativas que vão ocupar 1.800 horas (60%) da carga horária dos alunos no novo currículo educacional, e que devem ser escolhidos de acordo com o Projeto de Vida estabelecido por cada estudante.


As escolas terão liberdade para quais serão os Itinerários oferecidos na sua grade curricular, mas devem estar dentro de uma ou mais áreas de conhecimento e ser estruturados a partir de pelo menos um dos quatro eixos de conhecimento - Investigação Científica, Mediação e Intervenção Sociocultural, Processos Criativos e Empreendedorismo. Além disso, precisam considerar o contexto social, os recursos disponíveis e as necessidades da sua comunidade escolar.


Como as escolas não tem obrigação de oferecer itinerários em todas as áreas, é importante que você entenda como o Novo Ensino Médio vai funcionar.



Áreas de Conhecimento


Os Itinerários Formativos do Novo Ensino Médio são divididos em cinco áreas de conhecimento:


1. Linguagens e suas Tecnologias

A Base Nacional Comum Curricular da área de Linguagens e suas Tecnologias busca consolidar e ampliar as aprendizagens previstas na BNCC de Ensino Fundamental nos componentes Língua Portuguesa, Arte, Educação Física e Língua Inglesa.

Foco na ampliação da autonomia, do protagonismo e da autoria nas práticas de diferentes linguagens; na identificação e na crítica aos diferentes usos das linguagens, explicitando seu poder no estabelecimento de relações; na apreciação e na participação em diversas manifestações artísticas e culturais e no uso criativo das diversas mídias. (BNCC)


2. Matemática e suas tecnologias

Os estudantes devem utilizar conceitos, procedimentos e estratégias não apenas para resolver problemas, mas também para formulá-los, descrever dados, selecionar modelos matemáticos e desenvolver o pensamento computacional, por meio da utilização de diferentes recursos da área. (BNCC)


3. Ciências da natureza e suas tecnologias

No Ensino Médio, a área deve se comprometer, assim como as demais, com a formação dos jovens para o enfrentamento dos desafios da contemporaneidade, na direção da educação integral e da formação cidadã. Os estudantes, com maior vivência e maturidade, têm condições para aprofundar o exercício do pensamento crítico, realizar novas leituras do mundo, com base em modelos abstratos, e tomar decisões responsáveis, éticas e consistentes na identificação e solução de situações-problema.

Propõe que os estudantes possam construir e utilizar conhecimentos específicos da área para argumentar, propor soluções e enfrentar desafios locais e/ou globais, relativos às condições de vida e ao ambiente. (BNCC)


4. Ciências humanas e sociais aplicadas

A BNCC na área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas é integrada por Filosofia, Geografia, História e Sociologia.

Concentra-se na análise e na avaliação das relações sociais, dos modelos econômicos, dos processos políticos e das diversas culturas. (BNCC)



O que são os Eixos Estruturantes


Os itinerários formativos se organizam em quatro eixos estruturantes:

  • Investigação científica: ampliação da competência de investigação, interpretação de ideias, procedimentos investigativos e compreensão dos alunos, por meio de práticas e produções científicas.


  • Processos criativos: desenvolvimento da competência de elaboração de projetos criativos para desenvolvimento de processos, modelos, protótipos e produtos que atendam às demandas sociais.


  • Mediação e intervenção sociocultural: promove ferramentas para que os alunos criem habilidades de mediar conflitos e compreender a sociedade, promovendo transformações positivas no local onde vive.


  • Empreendedorismo: estímulo ao desenvolvimento de projetos pessoais dos estudantes com foco em criação de empresas, instituições ou organizações focadas no desenvolvimento de produtos e serviços inovadores.


Situações de Trabalho sugeridas pela BNCC


A interdisciplinaridade é uma das propostas diferenciais do Novo Ensino Médio. Para isso, a BNCC sugere o estabelecimento de situações de trabalho colaborativas, “que se organizem com base nos interesses dos estudantes e favoreçam seu protagonismo. Algumas das possibilidades de articulação entre as áreas do conhecimento são:


Laboratórios: supõem atividades que envolvem observação, experimentação e produção em uma área de estudo e/ou o desenvolvimento de práticas de um determinado campo (línguas, jornalismo, comunicação e mídia, humanidades, ciências da natureza, matemática etc.).


Oficinas: espaços de construção coletiva de conhecimentos, técnicas e tecnologias, que possibilitam articulação entre teorias e práticas (produção de objetos/equipamentos, simulações de “tribunais”, quadrinhos, audiovisual, legendagem, fanzine, escrita criativa, performance, produção e tratamento estatístico etc.).


Clubes: agrupamentos de estudantes livremente associados que partilham de gostos e opiniões comuns (leitura, conservação ambiental, desportivo, cineclube, fã-clube, fandom etc.).


Observatórios: grupos de estudantes que se propõem, com base em uma problemática definida, a acompanhar, analisar e fiscalizar a evolução de fenômenos, o desenvolvimento de políticas públicas etc. (imprensa, juventude, democracia, saúde da comunidade, participação da comunidade nos processos decisórios, condições ambientais etc.).


Incubadoras: estimulam e fornecem condições ideais para o desenvolvimento de determinado produto, técnica ou tecnologia (plataformas digitais, canais de comunicação, páginas eletrônicas/sites, projetos de intervenção, projetos culturais, protótipos etc.).


Núcleos de estudos: desenvolvem estudos e pesquisas, promovem fóruns de debates sobre um determinado tema de interesse e disseminam conhecimentos por meio de eventos – seminários, palestras, encontros, colóquios –, publicações, campanhas etc. (juventudes, diversidades, sexualidade, mulher, juventude e trabalho etc.).


Núcleos de criação artística: desenvolvem processos criativos e colaborativos, com base nos interesses de pesquisa dos jovens e na investigação das corporalidades, espacialidades, musicalidades, textualidades literárias e teatralidades presentes em suas vidas e nas manifestações culturais das suas comunidades, articulando a prática da criação artística com a apreciação, análise e reflexão sobre referências históricas, estéticas, sociais e culturais (artes integradas, videoarte, performance, intervenções urbanas, cinema, fotografia, slam, hip hop etc.).


Imagem: Wix

Commentaires

Noté 0 étoile sur 5.
Pas encore de note

Ajouter une note
bottom of page